Clínica de reabilitação

Os efeitos do uso da maconha no corpo podem variar de acordo com as características do usuário, com seu estado de espírito, com o ambiente em que o consumo ocorre e também com as características da droga, segundo o biólogo Lucas Maia, doutorando em Saúde Pública da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e pesquisadora do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid).

O especialista é coordenador do grupo multidisciplinar “Maconhabras”, que, sob a supervisão do médico Elisaldo Carlini, professor da Unifesp, reúne pesquisadores de várias instituições interessadas principalmente no uso medicinal da Cannabis sativa. Maia conversou com o G1 sobre os efeitos fisiológicos e psicológicos da droga, cuja venda e cultivo regulamentados por lei foram aprovados nesta terça-feira (10) no Uruguai. Veja abaixo algumas das ações da maconha no corpo humano:

Atividade locomotora
A maconha geralmente promove uma diminuição da atividade motora, fazendo com que a pessoa se mova menos e possa atingir um estado de sonolência. No entanto, dependendo da dose de tetra-hidrocanabinol (THC) – o ingrediente ativo com os efeitos mais pronunciados da maconha – a reação também pode ser o oposto, levando a uma sensação de euforia e movimentos intensificados.

Para isso temos a Clínica de Tratamento para dependência química e alcoólatra!

“Qualquer coisa que envolva os efeitos da cannabis pode parecer ambígua. Há análises que mostram que esses efeitos são bidirecionais, dependendo da dose, do indivíduo e do ambiente ”, diz Maia.

Frequência cardíaca
Especialmente em pessoas que usam o medicamento pela primeira vez, pode haver um aumento na freqüência cardíaca. “Não é um efeito que pode levar a um ataque cardíaco, por exemplo, mas é um aumento muito evidente. A pessoa pode se sentir desconfortável e ansiosa, e isso pode ser um risco no caso de indivíduos com histórico pessoal ou familiar de ansiedade ou transtorno do pânico ”, explica o biólogo.

Diminuição da temperatura e aumento do apetite
Assim como a maconha causa uma diminuição da atividade motora, também leva a uma diminuição da temperatura corporal, o que cria um quadro de hipotermia. Também pode estimular o sistema digestivo e aumentar o apetite. Boca seca e olhos vermelhos também são alguns dos efeitos observados após o uso.

Humor
Quanto aos efeitos no humor do usuário, o medicamento pode causar relaxamento e calma, bem como um sentimento de ansiedade e angústia. Novamente, isso depende das características do usuário e da substância. “A maconha com maior concentração de THC tende a induzir reações de ansiedade com mais frequência, em comparação com a maconha com menor concentração de THC, segundo estudos”, compara Maia. Quando o usuário tem um histórico médico de ansiedade, os riscos do medicamento que suscitam emoções negativas são maiores.

Pulmões
O cigarro de maconha contém muitos dos componentes também presentes no cigarro comum. Para comparar os efeitos do tabaco e da maconha na função pulmonar, Maia cita um estudo publicado na revista científica “The Journal of the American Medical Association” (Jama) em 2012.

Os pesquisadores investigaram a associação entre o uso de maconha e os possíveis efeitos adversos na função pulmonar em mais de 5.000 pessoas. Os resultados mostraram que o uso intenso por longos períodos (mais de 10 anos) foi associado a um declínio na capacidade pulmonar. No entanto, o uso moderado, por até 7 anos, não causou grandes danos aos pulmões, diferentemente do observado em fumantes comuns que, com a mesma frequência de uso, já apresentavam fortes efeitos adversos.

Memória
A maconha prejudica principalmente a memória de curto prazo e a chamada memória de trabalho. “Estes são efeitos transitórios, especialmente durante o uso. Mas, se pensarmos que uma pessoa usa a droga todos os dias, ela estará sob esse efeito prejudicial o tempo todo e não reterá informações ”, diz o pesquisador. Maia diz que após 28 dias sem usar a substância, as funções de memória e cognição são estabilizadas novamente.

Dependência
Maia diz que, embora existam casos de dependência de maconha, ainda não foram realizados estudos clínicos que demonstrem claramente quais são os mecanismos desse tipo de dependência. “É um estudo difícil de ser realizado. O que se sabe é que 5% a 8% dos usuários de drogas são dependentes. O percentual é baixo em comparação com outras substâncias, como nicotina, cocaína ou heroína ”, diz ele.

O vício, no caso da maconha, pode ser caracterizado pela necessidade de aumentar a dose para obter os mesmos efeitos e também por sintomas de abstinência, como irritabilidade, falta de apetite e insônia.

Uso terapêutico
Foi comprovado que a eficácia do uso terapêutico da maconha reduz os efeitos colaterais da quimioterapia contra o câncer, aliviando náuseas e vômitos. Para pacientes com AIDS terminal, com falta de apetite, o medicamento também pode estimular a fome e proporcionar uma melhor qualidade de vida à pessoa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *